O Cantinho do Bélier

"Poema Afeano".

SONETOS DE 2010

HISTÓRIA
O TIME
LINKS
CADASTRE-SE
O AUTOR
CAMPEONATOS
BAZZANI
OPINIÃO
CANTINHO DO BÉLIER

um pouco de cultura, amor e emoção onde o tema único é a querida ferroviária.


O CANTINHO DO BÉLIER

Antonio Carneiro

http://poemafeano.blog.com/


2X2 ao Grêmio Prudente
(Festa acabada, banda de pé)

Foi mau demais, incrível conjunção
De resultados, que mais parecia
Um certo ajustamento cuja via
É muitas vezes fruto de “armação”,

A nos tirar desta competição
Após tê-la ao alcance, à revelia
De insólita, aparente anomalia,
Maior que fosse a sua dimensão:

De culpa sim, nós temos a parcela,
Mas é decerto não a mais ingente,
Que a sorte não nos deu qualquer chancela

E do outro lado, algo não convincente
Viu-se passar; mas ante a mor procela
É que ganhamos fé para ir em frente.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
17/10/2010

0X0 ao Atlético (Sorocaba)
(Decisão adiada)
 

O empate soube a pouco em Sorocaba,
Que ali já se podia decidir
A classificação para seguir
À etapa próxima, se não acaba

Um jogo que se mui ambos não gaba
Os litigantes, por melhor fluir
No campo, foi bem fácil admitir
Melhor a AFE, do rival na taba:

Para a ronda final é remetido
O apuramento, em casa, a nosso jeito
Ante o Prudente assaz comprometido:

Basta não complicar, fazer direito
De casa o bom dever, e resolvido
Estará o problema, e satisfeito.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
14/10/2010

2X4 ao Paulista (Jundiaí)
(Travagem)


Em noite hostil, de fraca inspiração,
Ante um adversário mais ousado,
Travou-se o nosso intento, por gorado,
De já lograr a classsificação;

Após um gol ligeiro, viu-se então
Jogar somente este rival citado
Que instava ter mais gente no gramado (relvado)
Tal era a nossa intensa submissão.

Apenas no final ganhamos brio
E a fustigar as hostes inimigas
Mostramos que, se em todo o desafio

Nossas ações não fossem tão mendigas
Talvez deste naufrádio assaz sombrio
Inda escapar pudessem lestas guigas.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
10/10/2010


2X2 ao Paulista (Jundiaí) 
(Empate heróico)

No Jayme Cintra, antigo estádio e cheio
De tradições, em Jundiaí, tivemos
Um outro compromisso de que houvemos
Por de novo sentir ambiente alheio;

Ainda desfalcado o time, em meio
À onda de lesões que tão sofremos
Quanto de raro fito padecemos
Ante um destino de pleno arreceio,

De novo em frente à adversidade
Louvou-nos a atitude por inteiro
E um jogo de aceitável qualidade

Pode-se ver: O galo em seu poleiro
Não cantou com suposta intensidade
Com que previu cantar de azo primeiro.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
02/10/2010

1X0 ao Atlético (Sorocaba)

Em noite de feliz assentamento,
A preliar com time desfalcado
Ainda, e mais por árbitro mal dado
A dar-nos qualquer favorecimento,

Vencemos com total merecimento
Rival brioso, duro e bem postado,
A demonstrar valor determinado,
Mesmo arrostando um outro adverso evento;

E para além brilhou, do brio ingente
Destes jovens de tanta galhardia,
Um menino de ouro refulgente

Cujo talento impõe-se a cada dia:
Que grande gol, ao hábito somente
Dos craques de maior hierarquia!

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
30/09/2010

1X0 ao Grêmio Prudente
(Auspicioso início)

Pela segunda fase, que inicia
Ante um rival dito “descamisado”,
Que já foi Barueri cognominado
Em Prudente, eis a AFE em árdua via,

Pois o jogo a jogar já principia
Com time inteiramente desfalcado,
Em sítios de fulcral significado
Para qualquer equipe, na porfia;

Sem transmissão, ficamos na torcida,
A ver o frio “lance a lance” escrito
Até voltar a rádio a ser ouvida;

Mas compensou passar por tal conflito,
Eis que ao final vencemos a partida
Contra todo o previsto requisito.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
26/09/2010


1X1 ao Oeste (Itápolis)
(Empate Q.B.)

Em derradeiro embate, a sítio alheio,
Quando já definido estava o lote,
De Itápolis na praça deu-se o mote
Para um jogo de pálido arreceio:

Sob tal motivação de parco enleio,
Entramos a perder, com surdo bote
Do adversário, mas por um rebote
Logramos pôr o marcador a meio:

Para o final, após alguns perigos,
A igualdade enfim foi alcançada
Que nos consolidou em bons abrigos:

Primeiros, para a próxima jornada,
Conquanto com desfalques por castigos
E contusões, entramos de abalada.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
19/09/2010

2X3 ao Sertãozinho
(Jacutinga?)


Após a lamentável pasmaceira
Que se apossou de muitos neste dia,
Talvez por lassidão, pouca ousadia,
Ou mesmo de uma mais gravosa useira,

Foi-se a invencibilidade inteira
De vitórias seguidas na porfia,
Quando um pouco de brio só seria
Jus de vencer a malta forasteira;

É certo que do grupo mais que meio
Instou-se ausente nesta ocasião,
Mas isto não desculpa este falseio,

Pois mesmo com reservas é feição
De enorme diferença do alheio
O nosso time, por comparação.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
12/09/2010

1X0 ao Batatais
(“Noves fora”, oito)


Com um mui desfalcado time, fora
Os titulares quase todos, mais
De meio grupo, hoje em Batatais
Um outro compromisso teve hora;

A equipe do local, que mui demora
A se entrosar, mantém-se entre os finais
Lugares da tabela e maus sinais
Neste torneio só assim deplora:

Mesmo com os reservas, foi plausível
O empenho, e já são oito de seguida
Vitórias tanto, em sucessão temível.

Que a série continue, mas contida
A euforia seja, e se possível
Para a meta final arremetida.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
08/09/2010


3X2 à Francana
(Show, mas sem esnobismo, sim?)


E continua o show da garotada,
Por gáudio da platéia que somente
Pleiteia de ir ver, irreverente,
Vitórias mais, jornada após jornada;

Hoje, foi a Francana derrotada
Com outro resultado convincente,
O que demonstra bem nosso ascendente
Sobre os demais, no grupo, em disparada:

Já temos garantido apuramento
Para outra fase, visto antecipado,
Mas não podemos descuidar no alento,

Pois mais que este torneio, o colimado
É de um time bem forte o forte assento
Forjar, porque ali bem fique assentado.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
05/09/2010

3X1 ao Comercial (R.P.)
(Do desafinado “bafo” do Só)


Afina-se a grená orquestra aposta
De seus executantes juvenis
Para no palco-arena a sons sutis
Brindar sua platéia mal composta;

O “Bafo” lhe procura dar resposta,
Mas seus harpejos roucos, pouco hostis,
Bufados de trombones adaís
Sob batuta de um Só (pífias) imposta

Nada contestam, que a parca harmonia
Denota dos ensaios pouca argúcia
Para arrostar os rumos da porfia;

E assim já seis concertos dão minúcia
Seguidos, de soberba melodia
Para alegrar a afeana súcia.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia _ Portugal
02/09/2010

4X0 ao São Carlos
(“Chocolate” em bolo de aniversário)


Do aniversário em vésperas aplica
A Ferroviária, de Araraquara,
Um “chocolate”, e o bolo que aviara
Por festejar o ensejo, melhor fica:

Quem paga é o vizinho a festa rica
Que em própria casa o capitel levara
De quatro ameixas com que se adornara
A doçaria, como o nome indica,

E assim resulta em dose dupla intento
De uma celebração mais conseguida
Para este célebre acontecimento:

Os parabéns então, por longa vida
E mui feliz, também daqui no evento
Cantamos, nesta data tão querida.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
22/08/2010

 


1X0 ao Oeste (Itápolis)
(Consolidando a equipe e a liderança)


Da madrugada portuguesa a meio
Finda-se outra partida disputada
De altos brios, por nossa garotada
Ante um rival de “medalhões” mais cheio;

Os meninos de novo mostram veio
De afirmação convicta e aplicada,
Mesmo na ausência do “pivot”, forçada,
Que lhes concede o costumaz esteio:

Eis, cabe a nós, adeptos, dar arrimo
A esta equipe, por firmar-lhe as bases
Que, sólidas, a alçarão ao cimo,

Mesmo que eventualmente mostrem fases
Menos famosas, quando de mais mimo
Inda, carecerá, e assim fugazes.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
19/08/2010

5X1 ao Sertãozinho
(Que gordo domingo!)


A Sertãozinho fomos de viagem
Com time assaz prudente e bem postado,
Perdendo em ousadia por cuidado
Por garantir os pontos na romagem;

Ante o rival, a priori da abordagem
O melhor do torneio colocado,
Impusemos o jogo, e de tal grado
Resulta uma vitória a grande margem:

Mais que o vencer, esta conquista assenta
Numa estratégia de sabido intento
Que aproveita os recursos com que aumenta

As boas perspectivas do momento,
A colimar as metas que intenta
Num futuro de almo assentamento.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
08/08/2010

3X1 ao Batatais
(Em sentido olímpico)

Um gol olímpico sentido enseja
Por bom jaez, de ótimo incentivo
Em qualquer jogo, a dar amplo motivo
De alegre alvitre ao torcedor que o veja;

Inda que o Batatais outro não seja
Que o último da tábua, o exclusivo
Lanterna do torneio, pouco ativo
Na luta que o melhor sempre corteja,

Foi de reconfortar os afeanos
Outra vitória plena conseguida
Que dá razão assim a almos planos:

E seja ela assaz bem sucedida
Por outras mais, isentas dos abanos
Com que iniciamos esta lida.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
05/08/2010


1X0 à Francana
(Renovada esperança)


Inda que muito a custo, finalmente,
Logramos de vencer, e uma vitória
Dá sempre para gáudio na memória
Algo de esperançoso e condizente

Com a esperança renovada, ausente
Dos dois primeiros jogos cuja história
Nada nos trouxe de feliz memória
Para um futuro recordar vigente

E mais, eis que o goleiro se houve bem
Em meio à defensiva claudicante
Como antes não se vira, para além

De vermos outro árbitro aspirante
A se dependurado em arrebém
De um navio qualquer itinerante.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
01/08/2010 

0X2 ao Comercial (R.P.)
(Outra lambada)

Eis do Comercial em pagos vimos
Outro desaire perpetrar-se, intenso
De mesmos erros, que de errar propenso
Vai nesta copa o time a que assistimos;

É tempo mais perdido, tal sentimos
Que novamente se demora, apenso
Por um critério que das teses, penso,
Premeia o falso jus de parcos timos.

Perde-se assim essa oportunidade
Para ajustar a equipe, no colimo
De maior meta afim e na verdade,

Conquanto nesta base faça arrimo
Adireção, já não nos persuade
De que é seu certo objetivo e primo.

Antonio Carneiro (Bélier)
Setúbal – Portugal
29/07/2010

0X1 ao São Carlos F.C.
(A Copa e a copinha)


Finda-se a Copa, uma outra se inicia,
Aquela de memória pouco airosa
Que já de agora não se faz famosa
E menos no porvir que se anuncia;

Esta, de equipes com menor valia,
Sem qualquer ambição ampla e pomposa,
Talvez porém de gente talentosa
A buscar uma chance qualquer dia.

Para quem, como nós, e fielmente
Segue a Ferroviária, sempre atentos
É o maior de todos os eventos;

Mas, oh tristeza! Entramos novamente
A claudicar com novo time, ausente
De quaisquer novos llúcidos talentos.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
18/07/2010 


2X3 ao Red Bull Brasil
A missão impossível


Era impossível quase, todavia
O torcedor grená escarmentado,
Ao sofrimento tão acostumado,
Uma remota chance ainda via;

Sob este anelo, o jogo principia,
Mas logo um gol nos é acachapado
E outro penalty faz desperdiçado
O nosso atleta em pífia bonomia.

Foi sonolento o resto do cotejo,
Entregue a AFE a seu destino havido
De Araraquara desde o outro ensejo:

Resta aguardar o que nos é devido
Em futuro de mais próximo almejo
Para a meta que temos perseguido.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
23/05/2010

0X3 ao Red Bull Brasil
(Noite de trevas e multinacional)


Noite de densas trevas, noite imiga,
Eis sobre a Arena seu rigor espalha,
De decisão má hora que nos calha
A lembrar do fracasso idéia antiga;

Tal jaez de seu fito não consiga,
Pois tanto este rigor nos atrapalha
Há quanto tempo imposto, Deus nos valha,
Que insta-nos temer que mais prossiga.

De atípica feição, estranha imagem,
Pautou-se a exibição, escassa e triste
Cujo teor se opôs, em defasagem

Com o sucesso ao qual, justo, subsiste
O inda feliz ensejo na romagem
Que o Fado nos brindou, de dedo em riste.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
16/05/2010

3X0 ao XV (Jaú)
(Em ritmo de festa)


Já com primeva meta ultrapassada,
Após ingente esforço, e memorável,
Em campanha decerto admirável,
Para gáudio da massa escarmentada,

Voltou à Arena em noite engalanada,
A fim de concluir de modo afável
Tal percurso, a Ferrinha, insuperável,
Em seu grupo, primeira destacada:

Tranquila, pois ciente da conquista,
Venceu o compromisso facilmente
E agora aguarda, atenta e otimista

Saber de seu rival, jogos à frente,
Que dirão qual será desta paulista
Competição, o vencedor ingente.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
09/05/2010


1X1 ao XV (Piracicaba) - SONETO DA SUBIDA
(De volta aos bons carris)


Eis a Locomotiva novamente
Sobre os carris de bom caminho havido
Para levá-la a seu lugar devido
De onde há muito tempo faz-se ausente:

Já se denota o ar irreverente
De seu andar, antes entorpecido,
Agora firme, audaz e decidido
Rumo à missão maior que tem à frente;

Hoje, uma etapa mais ficou vencida:
A promoção já veio, lapidária,
Por conquista deveras merecida;

Outra virá, por certo, necessária,
Capaz de entre a elite, destemida,
Repor a gloriosa Ferroviária!

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
06/05/2010

Parabéns AFEnet

 

É bem aventurado quem sobeja
De um ideal comum o almo ensejo
Cuja expressão se exalta no cotejo
Com a cobiça vil, que não corteja;

Porque a vontade de servir enseja
Apenas, por seu único desejo
E assim pode dizer, a isento pejo,
Que o bem espalha, pois o bem deseja:

Destarte, nós também, de alto paleio,
Sobre o trabalho com que, devotado,
O “AFEnet” há dez anos nos premeia,

Unindo os corações grenás no enleio
Que eleva a todos, e por resultado
Sementes de bons frutos só semeia.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
01/05/2010

2X1 ao Comercial (R.P.)
(A um pontinho de distância)


Foi sufocante, intenso, memorável
E decisivo, cremos, tudo indica,
Após esta vitória que se aplica
Em contexto já quase inexorável:

É só preciso um ponto mais, viável
Em nove a disputar, já bem se explica
Do torcedor feliz a face rica
De uma euforia assaz justificável;

Escarmentado, bem merece enfim
O nosso povo tal alegre ensejo
Que ao sofrimento atroz vem dar um fim

E há de sustentá-lo no cotejo
Deste jaez por tanto tempo assim
Que nos devolve o jus de nosso almejo.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia – Portugal
26/04/2010


2X1 ao XV (Piracicaba)
(Mais perto ainda…)


Mais próximo o sucesso está, deveras,
Ante este novo e grande resultado,
Mesmo que a duras penas conquistado,
Após mui árduas lutas, e não meras;

A vencer, as barreiras são severas
E por cada vencida e posta ao lado,
Surge uma outra de mais alto grado,
Exigindo atitudes sãs e austeras:

Urge manter a confiança adida
À humildade com que se conquista
A grandeza real apetecida;

Destarte, o Come-Ferro já se avista:
Há que enfrentá-lo em pose destemida
De cautelosa ação, mas otimista.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
22/04/2010

5X2 ao XV (Jaú)
(Já quase lá…)


Sob clima hostil, em campo mal cuidado,
Um galinheiro autêntico invadido
Por gente estranha ao jogo, a assumido
Intento de fazê-lo conturbado,

Vencemos com louvor de amplo legado
Este primeiro obstáculo, e vencido,
Já três pontos nos contam, é devido
Sonhar com o acesso tão sonhado:

Fez-se mui clara e viva distinção
Entre o nosso valor, bem mais assente
E o do rival, em ampla dimensão

E cremos já, preciso é somente
Ter calma, confiança e convicção
Na vitória final, e certamente.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
18/04/2010

1X2 ao Palmeiras
(Rumo ao acesso)


Em jogo, enfim que nada mudaria
No contexto dos próximos eventos
Que, estes sim, vão dar os elementos
Por definir jaezes da porfia,

Com time que desfalques ressentia,
Entramos mal nos primos movimentos,
Que alguns foram poupados por intentos
De os guardar de penhor em garantia

Para o cabal desfecho referido,
E assim seguiu o alamiré primeiro
Até novo revés vermos sofrido:

Fortuna não nos coube, é verdadeiro
No grupo que calhou, assaz renhido,
Mas há que arrostá-lo, sem receio.

Antonio Carneiro (Bélier)
V .N.Gaia - Portugal
11/04/2010


Feliz Páscoa!

Aleluia! O Mestre vive entre nós!

Em dia alegre de Páscoa, eis que a Ferroviária apurou-se para as finais, ao meter cinco a três em pagos alheios, ante um concorrente direto, uma nesga de nostalgia:


5X3 ao Atlético (Araçatuba)
(Alucinante) 


Em jogo alucinante, endiabrado 
O Tobias, com “joker” solutivo
A golear rival mui expressivo,
Na luta pela vaga inda empenhado,

Conquistamos direito incontestado
De ir a contexto agora desisivo,
Que em complemento ao qualificativo
Há de fazê-lo enfim complementado:

Vitória enorme, em pagos do alheio
Obtida, após soberba exibição
Conceda entusiasmo de permeio

Para arrostar a grande decisão,
Hábil de congruir no justo anseio
Da sofrida e fiel grená nação. 

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
04/04/2010

Lembranças da Páscoa no Brasil

Ali também, no berço pátrio ausente
De que a recordação traz-me saudade,
Muitos momentos de felicidade
Passei, de que então era indiferente:

Da Páscoa, bem me lembro, e de contente
Só de o lembrar, inspira-me a vontade
De regressar no tempo à mocidade
E o canto ouvir, feliz, de minha gente:

Aleluia! Entre nós, ressuscitado,
O Rei dos reis um manto almo e puro
Estende a seu rebanho inusitado

Para guiá-lo aos feitos do futuro,
Inda que pelo mundo dispersado
A carpir seu desatino triste e duro.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
04/04/2010

1X0 ao Batatais
(O velho costume perdulário)


O Batatais, que teve bom começo
Nas rodadas primevas do torneio,
Assim credenciado à Arena veio,
Inda crente da Sorte, e não avesso:

Trancou-se a sete chaves no endereço
Da própria meta, em anti-jogo feio
E de faltas constantes pelo meio
Vincou sua estratégia a baixo apreço;

Então, viu-se outra vez, já é costume,
Falhar as conclusões de forma vária
Das chances que criou com certo gume,

Para aflição dos seus, a Ferroviária,
Quase pagando ao fim por tal urdume
Que a tanto intenta de tão perdulária.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
01/04/2010


3X3 ao Olímpia
(Mal de menor custo)


Em dia não, talvez sem a genica
Que sempre deve estar, e nunca ausente
Se justifica, em qualquer que se intente,
Competição ganhar, que isto mal fica,

Sofremos a valer, e o bem indica
O placar, cuja evolução patente
Bem o mostra, em fluir correspondente
A uma tensão, que os nervos danifica:

Ante um rival assaz desesperado,
De corda na garganta, a nó bem justo
Com o descenso quase consumado,

Não se acertou a equipe, e para o susto
Decerto não terá também ganhado
E o ”não perder” logrou por menor custo.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
28/03/2010

1X0 ao XV (Piracicaba) 
(Falta pouco…)

Em deslocado dia, assim proposto
De interesses da bola, por alheios,
Que há tempos se amordaçam devaneios
Antes de tradição excelso gosto,
 

Jogou-se um clássico assaz composto
A tal prazer de tão ausentes meios
Cujo placar sorriu em galanteios
Ao torcedor, deixando-o bem disposto:
 

Vencido o Quinze de Piracicaba,
Em luta ingente, digna do cotejo,
Falta pouco da etapa que se acaba
 

Para ir às finais com pleno ensejo
De a meta ultrapassar, que não nos gaba
E outra alcançar mais ampla a nosso almejo.
 

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
24/03/2010

5X1 ao Bandeirante (Birigui)
(Balaiada em Birigui)


Com grande exibição, estilo ousado,
A relembrar bons tempos de permeio,
Eis que se impõe, soberba, em sítio alheio
A nossa equipe, em jeito sublimado;

Destarte, o grupo, assaz mais entrosado,
Apanha o seu rival incauto em cheio
Para implodi-lo em colossal vareio
Como há muito não vimos consumado:
 

De gols, meia dezena é conseguida
E mais seriam, se tão não se acaba
Cedo o sério interesse na partida.

Que venha agora de Piracicaba,
Por tradição para empolgante lida
O “Nhô-Quin”, que já tanto se sorraba.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
21/03/2010


1X0 à Itapirense
(O inseparável sofrimento)

Impreterivelmente, o sofrimento
É nosso companheiro inseparável,
À prova expondo o gênio inquebrantável
Da gente afeana, em seu pálio cinzento;

Mais uma vez até final momento
Susteve o torcedor inextricável
O respirar, suplício interminável,
Inda que de minutos fosse evento:

Paciência inconcebível nos alente,
De Jó só vista em bíblico relato
Ao final desta fase até, em frente,

Para depois, no vero campeonato
Renovar-se o feroz padecimento,
Que é de sofrer nosso desiderato.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
18/03/2010

1X1 ao Sport Clube Barueri
(Desfecho amargo)


Da pouca sorte, a incompetência ao lado,
Foram de triste alvitre e ingrato, aquela
A nos roubar dois pontos na tabela,
Quando o tempo já havia se acabado;

Esta, evidente em lances de mau grado,
Quer das pífias do ataque na parcela,
Quer na defesa em águas de barrela
A deitar um triunfo consumado.

Por culminar do quadro tal roteiro,
No último reduto a garantia
Menor nos dá um trôpego goleiro:

Destarte, a conclusão já se anuncia
Deste torneio, e como é rotineiro:
Mor sofrimento até último dia.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
14/03/2010

4X0 ao Penapolense
(Arrasador)

De escassa fama, o novo treinador,
Do Édison Só discípulo confesso,
Mas que decerto para ter sucesso
Há de ser bem melhor que o professor,

Saiu-se muito bem, foi vencedor
Em jogo que marcou-lhe ótimo ingresso,
Ante o Penapolense, time egresso
De excelente campanha a seu favor:

Por quatro a zero, eis uma raridade,
Vergou este adversário tão temido
E agora não sabemos na verdade

O que antes nos houvera acontecido
Por não mostrarmos tanta habilidade
Com este empenho há tanto adormecido.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
11/03/2010


0X2 à Francana
(Consolo dos aflitos)

 

Eis que nos transformamos novamente

No consolo efetivo dos aflitos,

Desanuviando os seus amplos conflitos

Ante uma passividade assaz ingente:

 

Parece que um desânimo dolente

Impôs seus peremptórios requisitos

Para evidenciar nossos delitos

E apagar os dos outros de repente!

 

Sobra destarte para o treinador,

Como é costume, a pecha inevitável

De bode expiatório usurpador

 

Das culpas todas, mote invariável

Que há de encobrir sempre ao torcedor

Verdadeira a razão, e inexplicável.

 

Antonio Carneiro (Bélier)

V.N.Gaia - Portugal

07/03/2010 

1X1 ao São Carlos

(Funesto fado)

  

Funesta exibição, funesto rumo,

Aquela a demonstrar cabais carências,

Este a denotar das exigências

O aquém para alcançar devido aprumo;

 

Triste acomodação em parco arrumo

Onde há anos andamos por ausências

De audazes atitudes e gerências

Que bem nos orientem, em resumo:

 

O torcedor fiel, humilde e triste,

Levanta a voz de há muito emudecida

Dos cantos gloriosos do passado

 

Para dizer, se enfim ainda existe

Brio algum nesta gente “esclarecida”:

Cedei lugar, se o virdes mal guardado!

 

Antonio Carneiro (Bélier)

V.N.Gaia - Portugal

05/03/2010

1X2 ao Red Bull Brasil
(No paraíso das multinacionais)

 

Das multinacionais no paraíso,

Que é deste mundo marca registrada,

Não fora de Sion a voz clamada

Para impor seu domínio a pleno viso,

 

Entramos a perder, não é preciso

Muito considerar, consolidada

Outra derrota, que já esperada

Quando em contexto hostil se está inciso

 

De que a tentar fugir vezes se ajuda

A calhar o fracasso assaz provável,

E então faz-se a missão tão pontiaguda

 

Que acaba sendo quase inevitável

Sair de uma sorte quão sisuda

Qual uma atroz sentença irrevogável.

 

Antonio Carneiro (Bélier)

V.N.Gaia - Portugal

28/02/2010


1X2 ao XV de Jaú
(Decepcionante)


Custou-nos digerir esse fracasso
Na madrugada gélida gaiense,
Que uma derrota assim não nos convence,
Cedida, da incúria no compasso:

Diante de um rival modesto e lasso
Que ao grupo dos melhores não pertence,
Da humilhação ante o Penapolense
Saído, em seu terreno, a tardo passo,

Mostramos quase nula iniciativa,
Além de uma defesa claudicante
Que pouco ou nada já nos incentiva,

Destarte a nos dizer a voz chibante:
É tola e vã a nossa expectativa,
O que se indica assaz decepcionante.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
26/02/2010

4X3 ao Juventus
(Vitória estóica)


Numa manhã de dia ensolarado
Quando a hora se pôs já ajustada,
Na nova Arena, ingente, engalanada,
Um outro clássico se vê jogado:

AFE e Juventus, de imortal passado,
Revivem época não olvidada
E uma partida então é disputada
Cuja emoção se impõe de mor legado;

Estoicamente, após três desvantagens,
Fomos buscar vitória inolvidável,
Jamais vista nas últimas romagens;

E a emoção fez ver, inevitável,
Maior, de adeptos por sutis imagens
Saídas lágrimas, do peito afável.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
21/02/2010

1X0 à Portuguesa Santista
(Alvitre perdulário)

Deixamos de vencer por largo “score”,
Num colossal alvitre perdulário,
E, queira Deus, ao fim, por corolário
De desperdício tal, que não se chore;

Conquanto a arbitragem se deplore
De novo, eis que outro apito adversário,
Este por um careca sedentário
Soprado, fez-se ouvir, que nos amole,

De tantos gols falhados no sobejo,
Alguns de fácil conclusão carentes,
Há que pensar-se bem, neste cotejo,

Pois outros golearam, condizentes,
Com critérios no empate pelo ensejo
De melhorar seus coeficientes.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
13/02/2010


0X2 ao Comercial (R.P.)
(Abominável arbitragem; mas não só…)


Gatuno mediador, da iniquidade
Ignóbil condutor, juiz maldito,
Há de expiar do mal, pelo infinito,
Que perpetrou, da plena eternidade,

Não foi porém o algoz, eis na verdade
Único desta sorte ingrata, é sito
Em nosso caso o pífio requisito
De um time fraco, de escassa vontade:

Mais grave que perder, decerto é ver-se
Três pontos o rival somar destarte,
E assim, além da queda, o coice haver-se,

Pois não há mais ninguém que lhos descarte:
Este torneio é curto, é de entender-se,
Exige de buscá-los lesta arte.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
11/02/2010

1X0 ao Força
(Sorte amiga, Fortuna à vista!)


Em tórrida manhã de estival dia,
De Guarulhos na estância paulistana,
Ante um Força, de tal que só se engana,
Logramos de alcançar melhor valia:

Pela sorte, que há tempos não nos via,
Instamos de ser vistos, doidivana,
Hoje nossa aliada, puritana,
Que outras vezes nos fora de razia;

Conquanto outra vitoria nos insira
Do humor em planos menos visitados
Nos derradeiros tempos que vivemos,

Convém cuidar: Outros dotes urgira
Já de exibir, pois estes apontados
São de carências inda muito extremos.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
06/02/2010

2X0 ao Lemense
(Discreta alegria)


Nada de promissor, porém deveras
Importante é ganhar, isto é verdade,
Inda que pouco ou nada nos agrade
E nos fomente alvíssaras quimeras:

As sendas a trilhar, assaz severas,
Do viajante exigem qualidade
Além de férrea, intrínsica vontade
Que o não deixe ficar por falas meras;

De experiências tempo é já passado,
Que pouco resta neste campeonato,
Tão curto e de folgar pouco espaçado:

Chora menos quem cuida, “ipso facto”,
De resguardar cautela a bom cuidado
Antes que atinja seu desiderato.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia -Portugal
04/02/2010


1X2 ao Taubaté
(Esperança compulsória),


Em Taubaté, numa manhã dolente,
Iniciamos outra trajetória,
Buscando reviver a nossa história
Em sítios do passado inda presente

Na retina de uma sofrida gente
Cuja esperança é quase compulsória
A cada ano que passa, e peremptória
Para quem passa os anos descontente:

Contra um time medíocre, de recente
Formado, sim, perdemos, luta inglória
De entre tantas outras, novamente

E eis que outra vez desfaz-se em ilusória
A previsão de um ano mais ausente
Das mágoas dessa extensa moratória.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
31/01/2010

2X3 ao Corinthias (Copa S. Paulo Junior)

Do estádio novo em grama (relva) mal cuidada
E pouco claras marcações de linhas,
Vimos jogar por bolas mui “anguinhas”,
Que pouco espertas, nossa garotada:

Parece-nos, é pouco preocupada
Com a gestão do campo, a entrelinhas
Pode-se deduzir, por não asinhas
Suas ações, a empresa habilitada.

O jogo em si, perdemos, mas é fato
Que não fizemos má figura, apenas
Carecemos de mais desiderato:

Ambições amplas, não as tão pequenas
Cujo jaez tem nosso campeonato,
De expressão menor ante outras cenas.

Antonio Carneiro (Bélier)
V.N.Gaia - Portugal
10/01/2010

CLIQUE PARA IR À PAGINA CORRESPONDENTE

 


voltar para o topo da página